ISSO+AQUILO+ALGUNS





30 de abr de 2010

Cabideiro

Mais artcraft!
Cabideiro de madeira, com découpage e craquelê.


29 de abr de 2010

Mandala bauer

Estive visitando as casas de algumas clientes que compram meu trabalho. Fotografei algumas peças e vou postar aqui, devagarinho. Quase como um portfólio virtual.
Pra começar, uma mandala decorada com pintura bauer. Como a mandala está pendurada no alto da parede, há uma distorção na imagem. Mas, acho que dá pra ver o trabalho no detalhe.
Espero que gostem!


14 de abr de 2010

Uma jóia!

Não ligo muito pra jóias. Pelo menos, não para o valor monetário delas. Mas, as jóias tem seu valor multiplicado quando tem um belo design. E a nova coleção de anéis da H.Stern, está uma lindeza! Foi inspirada no filme Alice no País das Maravilhas, de Tim Burton.


Tem a floresta de cogumelos



O gato risonho, deitado no galho de uma árvore



As rosas falantes




A topiária em forma de pássaro


Sempre fui fã de anéis, dos mais extravagantes. Deu até vontade de ter muita grana pra comprar a preciosa fantasia da Alice só pra mim...


Fonte: H.Stern

13 de abr de 2010

Porta-chaves

Esse é o porta-chaves da minha casa, que fica na cozinha.


Ele tem outras funções, além de só guardar os chaveiros.
Serve também como suporte pra outros cacarecos que a gente não sabe onde colocar, assim que chega em casa. Algumas coisinhas vão ficando, por tempo indeterminado, e acabam fazendo morada por lá..
Acho que está na hora de dar uma mudada e comecei a procurar algumas idéias para fazer uma novo porta-chaves. Achei essas bem interessantes.











A imagens eu achei no Santo Google.
E, sabem como é... caiu na rede, é post!
Fica, então, a inspiração.

10 de abr de 2010

Jogo dos 7 erros


Ok. Talvez não sejam sete. Mas que tem alguma coisa errada aí, ah!, isso tem!
Eu comprei um quadro legal, uns bancos legais, uma estátua bacana, achei as luminárias lindas, mas...
Quando eu juntei tudo isso na minha varanda, não deu muito certo. Não tem unidade, não tem harmonia.
Aceito sugestões. Alguém sabe me dizer o que está faltando? Onde foi que eu errei?

8 de abr de 2010

Querido Diário: Vamos fazer um filme?

Quem leu os últimos posts já deve ter percebido que estou meio sentimental essa semana.
Hoje acordei com uma certa nostalgia. E pra coroar o meu estado de espírito melancólico -  desses que fazem arder a garganta da gente - ouvi "Há Tempos", do Legião Urbana, tocando no rádio. E pra me afundar ainda mais no poço, resolvi tirar minha 'coleção Legião' da gaveta e ouvir outras músicas.
Me lembrei dos meus 18 anos, da turma da Escola Técnica onde eu fiz o Ensino Médio, das minhas amigas e amigos da época, dos sonhos e planos que se tem quando se é adolescente, e que nem sempre se realizam...
Mas, foi bom pensar nessas coisas. Há muito tempo eu não ouvia as músicas do Renato Russo e não pensava na minha época de escola.
"Vamos Fazer Um Filme", do álbum O Descobrimento do Brasil, ilustra bem esse meu momento "saudade do que já foi e do que nunca vai ser"...

7 de abr de 2010

Meu outro blog

Gente...
Estou começando um outro blog. É sobre comidinhas e quem escreve é a Dona Mocinha, meu alter-ego para assuntos culinários. E eu ficaria muito feliz se vocês dessem uma passadinha por lá, só pra eu achar que estou abafando, hehe!
Espero que gostem e que se animem a ir pra cozinha!

PICNIC NA COZINHA

Eu, pensando alto: "A estréia é hoje. Estou nervosa!"


Contos de Amor Rasgados

Esse  post é pra Saa e todos aqueles que gostam de uma boa leitura.
A Saa é uma mocinha que, apesar de ter idade pra ser minha filha, escreve um blog bem bonitinho sobre literatura e outra coisas que adolescentes (inclusive nós mesmas, na nossa época) adoram.
Ela me fez lembrar desse livro, que há muito estava guardado no fundo da estante. Bem lá no fundo mesmo! Como ela não conhece a Marina Colasanti, e talvez vocês também não conheçam, aqui vai um tira-gosto de um dos trabalhos dela: Contos de Amor Rasgados.

Conto em letras garrafais
Todos os dias esvaziava uma garrafa, colocava dentro sua mensagem, e a entregava ao mar.
Nunca recebeu resposta.
Mas tornou-se alcoólatra.


A paixão da sua vida
Amava a morte. Mas não era correspondido.
Tomou veneno. Atirou-se de pontes. Aspirou gás. Sempre ela o rejeitava, recusando-lhe o abraço.
Quando finalmente desistiu da paixão entregando-se à vida, a morte, enciumada, estourou-lhe o coração.


A busca da razão
Sofreu muito com a adolescência.
Jovem ainda, se queixava.
Depois, todos os dias subia numa cadeira, agarrava uma argola presa ao teto e, pendurado, deixava-se ficar.
Até a tarde em que se desprendeu, esborrachando-se no chão: estava maduro.


Embora sem náusea
Jantava com a amante em restaurantes espelhados.
Mal acabava o maître de flambar a sobremesa, ia ele se trancar no banheiro. Com a mão metida funda na garganta, vomitava vermelhas lagostas, sanguíneos molhos, e as labaredas do conhaque.
Depois ia para casa, jantar com a esposa.

Deitava com a amante em espelhados motéis.
Mal corria a água da ducha, já ele se trancava no banheiro. Com a mão metida funda na garganta, vomitava ou louros cachos, as louras coxas, as labaredas da amante.
Depois ia pra casa, deitar com a esposa.

5 de abr de 2010

Swallowed In The Sea

Já contei, em prosa e verso, que sou fanática pelo Coldplay. Na missão de arrebanhar mais fãs para a banda, vou postar a letra de uma música que eu adoro, com a tradução. Aproveito pra mostar a bonequinha que eu fiz - a Chrissy Yellow-Rock - "pendurada no varal  pra secar", como diz o verso da canção.
E não deixem de ver o vídeo de Swallowed In The Sea!
Boa semana a todos!


Swallowed In The Sea
You cut me down a tree
And brought it back to me
Well, that's what made me see
Where I was going wrong
You put me on a shelf
And kept me for yourself
I can only blame myself
You can only blame me
And I could write a song
A hundred miles long
Well, that's where I belong
And you belong with me
And I could write it down
Or spread it all around
Get lost and then get found
Or swallowed in the sea
You put me on a line and hung me out to dry
And darling, that's when I decide to go to see
You cut me down to size
And opened up my eyes
And made me realize
What I could not see
And I could write a book
The one they'll say that shook the world
And then it took,
Took it back from me
And I could write it down
Or spread it all around
Get lost and then get found
And you'll come back to me
Not swallowed in the sea
And I could write a song
A hundred miles long
Well, that's where I belong
And you belong with me
The streets you're walking on
A thousand houses long
Well, that's where I belong
And you belong with me
All good is it to live with nothing left to give
Forget, but not forgive
Not loving all you see
All the streets you're walking on
A thousand houses long
Well, that's where I belong
And you belong with me
Not swallowed in the sea
You belong with me,
Not swallowed in the sea
You belong with me
Not swallowed in the sea.


Tragado Pelo Mar
Você cortou uma árvore
E trouxe-a de volta para mim
Bem, isso me fez ver
Onde eu estava errando
Você me pôs numa prateleira
E me manteve para si
Eu só posso me culpar
Você só pode me culpar
E eu poderia escrever uma música
Com uma centena de milhas de comprimento
Bem, esse é o meu lugar
E seu lugar é ao meu lado
E eu poderia anotar isto
Ou espalhar para todo lado
Perder-me e depois me encontrar
Ou ser tragado pelo mar
Você me colocou num varal e pendurou-me pra secar
E querida, foi quando eu decidi ir ver
Você diminuiu minha importância
E abriu meus olhos
E me fez perceber
O que eu não podia ver
E eu poderia escrever um livro
Aquele que dirão que abalou o mundo
E então ele tirou
Tirou de mim
E eu poderia anotar isto
Ou espalhar para todo lado
Perder-me e depois me encontrar
E você voltará pra mim
Não tragado pelo mar
E eu poderia escrever uma música
Com uma centena de milhas de comprimento
Bem, esse é o meu lugar
E seu lugar é ao meu lado
As ruas nas quais você anda
Com o comprimento de mil casas
Bem, esse é o meu lugar
E seu lugar é ao meu lado
Para que serve viver sem nada mais para dar?
Esqueça, mas não perdoe
Não amando tudo o que vê
As ruas nas quais você anda
Com o comprimento de mil casas
Bem, esse é o seu lugar,
E seu lugar é ao meu lado
Não engolida no mar
Sejamos tragados pelo mar

Fonte:vagalume.com


4 de abr de 2010

Vamos brincar de energia atômica?!


Vai longe o tempo em que o "politicamente correto" não exisita e você podia comprar para seus filhos um brinquedo pra fazer experiências radioativas em sua própria casa. Só durou um ano, de 1951 a 1952. Não pelo risco que causava  à saude das crianças, mas porque era muito caro, cerca de 50 dólares. Imaginem! Dali a 15 anos, todas aquelas crianças que tinham a tal 'bomba atômica de brinquedo', devem ter desenvolvido algum tipo de câncer!
Do kit, faziam parte quatro tipos de minério de urânio, um eletroscópio, um contador Geiger, um manual básico e um outro manual do governo para a avaliação de urânio, entre outras coisas.

E aí?! Vai um Gilbert U-238 Atomic Energy Lab para seu filhinho de 8 anos brincar? Ou você  prefere o o césio 137, pra valorizar o produto nacional?

Fonte: a criação
Related Posts with Thumbnails